Polícia diz que jovem atropelada por trem em Maringá foi assassinada

A Delegacia do Adolescente de Maringá aponta que a jovem Anna Júlia Szielasko, de 18 anos, foi vítima de homicídio praticado por um adolescente 16 anos de idade. Depoimentos constantes no procedimento e versões contraditórias do menor indicam que Anna Júlia não cometeu suicídio, e sim foi empurrada ao trilho.

Anna morreu após ter sido atropelada por um trem no mês passado entre os bairros Vila Nova e Internorte, em Maringá. Anna participava de uma festa de carnaval no Parque de Exposições. Diante dos fatos, a Polícia Civil representou pela internação do adolescente que era amigo de Anna Júlia.

O Ministério Público (MP) se manifestou afirmando que há provas da materialidade e indícios suficientes de autoria, além do ilícito ter sido cometido com violência contra a pessoa. O judiciário recebeu a representação oferecida pelo Ministério Público.

No entanto, não acolheu a representação pela internação, ressaltando que trata-se de crime grave, mas nesse momento é necessário adotar medidas de cautela tendentes a disseminação do Covid-19 no Cense. Em uma das versões, o adolescente disse que Anna entrou no trilho para buscar um objeto e acabou ficando sentada.

A delegada Karen Friedrich que assumiu interinamente o caso conta que o maquinista da locomotiva declarou em seu interrogatório que visualizou o casal se empurrando ao lado do trilho. A delegada ainda disse que não resta dúvida de que o adolescente provocou a morte da amiga Anna Júlia.