Maníaco da Torre será julgado por mais três mortes contra mulheres

Roneys Fon Firmino Gomes, conhecido como “Maníaco da Torre”, atualmente com 47 anos, será submetido a mais três julgamentos pela morte de três mulheres. O acusado foi condenado a 23 anos e quatro meses de prisão pela morte de de Silmara Aparecida de Melo, crime ocorrido em 2012.

O réu já havia sido condenado a 21 anos e quatro meses de prisão pelos crimes de homicídio qualificado e ocultação de cadáver pela morte de Ednalva José da Paz, de 19 anos. O crime aconteceu em 2010. Roneys é considerado pela polícia como um dos maiores assassinos em série do Paraná.

Ele responde por pelo menos outros quatro homicídios de mulheres. A polícia acredita que ele teria matado mais de dez mulheres. Os corpos das vítimas eram encontrados nus, de barriga para cima, no meio de plantações e embaixo de torres de energia. A série de assassinatos levou o homem a ficar conhecido como “Maníaco da Torre”.

Roneys foi preso em julho de 2015, depois da polícia localizar no local de um dos crimes uma peça de carro que encaixou no veículo BMW que ele usava. Em depoimento, ele contou que depois de matar, cruzava as mãos das vítimas em cima do corpo e rezava pedindo perdão. Roneys disse que matou porque tinha ódio de prostitutas.

O acusado também contou que sua mãe era prostituta e que havia sido assassinada. Agora Roneys sentará no banco dos réus mais três vezes. Está marcado o júri popular na próxima terça-feira, dia 24. O maníaco é acusado de ter matado uma mulher na qual não foi identificada até o presente momento.

Já no primeiro dia do mês de junho, Roneys será julgado pela morte de Roseli Maria de Souza, e no dia 9 será julgado pela morte de Mara Josiane dos Santos.